Avançar para o conteúdo principal

A política em debate no Estoril.


«Reconsiderando a 3ª vaga de democratização: 40 anos depois da Revolução Portuguesa de 1974; 25 anos depois da queda do Muro de Berlim em 1989». É este o mote do XXII Encontro Internacional de Estudos Políticos/Estoril Political Forum 2014, que decorre entre 23 e 25 de Junho, no Hotel Palácio do Estoril, promovido pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Manuel Braga da Cruz, Pedro Magalhães, Rui Ramos, Miguel Morgado, Severiano Teixeira, Paulo Rangel, Francisco Assis são alguns dos convidados nacionais que abordarão temas como «A Transição Democrática em Portugal» e «O Futuro da Democracia em Portugal». Entre oradores estrangeiros o programa conta com Boguslaw Chrabota, director da revista Rzeczpospolit, Petr Mareš, enviado para a Parceria Oriental da República Checa e Pavol Demeš, analista de política externa eslovaco. «Europa Central: O Futuro da Democracia» conta com os contributos de Ivan Krstev, do Centre for Liberal Strategies de Sofia, Kálmán Pócza, da Universidade Pázmány Péter de Budapeste e Zdzislaw Mach, pró-reitor da Universidade Jagielloni. Para quem (ainda) gosta de debater a Política enquanto Ciência e reflectir sobre ela está aqui um bom programa.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…