Avançar para o conteúdo principal

Portugal: sozinho com o seu próprio destino.


Conta a imprensa deste sábado que o Governo ameaça com uma crise política, em modo de eleições antecipadas, caso o Tribunal Constitucional não chumbe pelo menos duas das medidas consideradas inconstitucionais há uma semana: a contribuição de solidariedade sobre as reformas e a futura tabela salarial única na função pública. Pois bem, estas ameaças da maioria cheiram a despotismo, a arrogância e a muita falta de carácter político. A bem dizer, acabou-se a galinha dos ovos de ouro, vulgo austeridade em cima do povo. Já não há esqueleto que aguente. E com o maior partido da oposição em cacos, e mais interessado em discutir a sua liderança, o povo, esse triste objecto de ensaio social, fica, cada vez mais à mercê do seu destino. É triste olhar para este país e para a situação a que chegámos e perceber que a classe política está em decadência a pique. Um dia, a História escreverá muita coisa. E essas páginas já estão bem negras de muita falta de visão nacional. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…