Avançar para o conteúdo principal

Uma silly quente e com fantasmas.

A tradicional Festa do Pontal marcou, mais uma vez, a rentrée política do PSD neste mês de Agosto ora tímido, ora ousado. Num Verão pouco quente nas temperaturas e a ferver na área política, vamos ouvindo os sermões e missas cantadas do costume nesta época estival que já pouco surpreende. Pedro Passos Coelho, na recta final do mandato, perde a paciência com o Tribunal Constitucional e os seus juízes que teimam em fazer política e, no fundo, cumprir a Lei Fundamental do país. Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro, desesperado, desafia o PS para consensos em matéria de reforma de segurança social antes das eleições legislativas de 2015. Mas, para que não haja dúvidas, o actual líder do PS, António José Seguro, que também luta pela liderança interna, já veio dizer que não, não senhor, não há cá acordo para ninguém. Faz bem Seguro, pois claro, que neste momento tem muito com que se preocupar, nomeadamente na luta por uma liderança que é sua por direito e legitimidade. O Verão, que já vai longo, continua a dar-nos tinta com o caso BES, um escândalo que irá mostrar como a regulação falhou redondamente, que colocará a nu as fragilidades do Estado e que desmistifica os banqueiros, tidos como impolutos e que, estes sim, viveram acima das suas possibilidades e à custa do desgraçado povo português. Uma banca sem descanso, que agora começa a ser escrutinada. Não sabemos se para inglês ver, se simplesmente para acautelar mais desgraças do sistema financeiro. Entretanto, o Montepio está a ser alvo de uma investigação forense, a pedido do Banco de Portugal, numa acção que visa passar a pente fino as contas do banco liderado por Tomás Correia, e apurar eventuais responsabilidades caso haja irregularidades. O Montepio que teve prejuízos em 2013 de 300 milhões de euros pode bem estar exposto a lixo de outras entidades financeiras e negócios de investimento. Resta saber se o supervisor não chega tarde demais a um problema grave e que coloca em causa a economia e o desenvolvimento, ainda que débil, do país. Num Verão quente em desgraças bancárias, a política quase que parece um fantasma no meio das férias dos portugueses. Veremos até onde nos levam neste barco que perdeu o motor e que se limita neste momento a navegar à vela.

*Crónica 18 de Agosto, Antena Livre, 89.7, Abrantes.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…