Avançar para o conteúdo principal

Tecnoforma. «O copo meio cheio e meio vazio».


O caso «Tecnoforma» assume contornos simbólicos daquilo que é a cultura política, o carácter e as gerações dos profissionais da Ciência Política (ou supostos) formados no pós 25 de Abril. Independentemente das explicações, das prescrições na Justiça e da falta de verdade que, todos os lados, sem excepção, parecem adoptar, a opinião pública, os cidadãos/contribuintes têm direito a uma explicação. Sem margem para dúvidas. Por outro lado, seria desonestidade intelectual não referir que já se tornou um clássico da comunicação social colocar jornalistas ao serviço dos poderes do momento sempre que estamos em vésperas de eleições. O que me chateia, neste último caso, é perceber que a «caça às bruxas» que acaba em tinta fresca de papel de jornal só surge em determinados momentos. No meio dos ciclos eleitorais não há interesse em vasculhar os actos imorais, ilícitos e pouco éticos dos representantes do tal Povo. Foi assim com José Sócrates, Santana Lopes, Durão Barroso, Cavaco Silva e até com António Guterres. É uma espécie de «copo meio cheio, meio vazio». Talvez os politólogos, sociólogos e analistas/comentadores da praça queiram dar-se ao trabalho de investigar, à séria, o chamado primeiro e/ou quarto poder. Talvez. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…