Avançar para o conteúdo principal

BES. A novela prossegue.

O Banco de Portugal apresentou finalmente a primeira queixa-crime contra a anterior gestão do BES, liderada pelo «Dono Disto Tudo», Ricardo Salgado. Chega tarde? Chega. Esperamos apenas que as acusações de burla, manipulação de dados de contabilidade, falsificação de documentos e infidelidade, como escreve esta quarta-feira o i se provem. Estamos, enquanto povo, cansados da impunidade dos senhores da banca, destes a quem, durante décadas e décadas, o poder político fez vénias à passagem, com interesses obscuros pelo meio, com promiscuidades de quadros que saltitaram entre a banca e a política. Um dia a História provará que a banca não foi nunca a vítima da depressão que veio dos EUA em 2008. Depressão bem diferente da de 1929. Mas com impactos bem proporcionais aos dias de hoje. A culpa não pode morrer solteira. E o BP, com culpas no cartório de inacção, não pode achar, com isto, que lava as mãos. Porque tanto entidade de supervisão como o regulador também eles deviam prestar contas na Justiça. É pena que para estes a impunidade seja uma realidade que permanece. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…