Avançar para o conteúdo principal

Marx e a luz depois das trevas.




«As classes trabalhadoras continuam mergulhadas na pobreza, enquanto à sua volta a riqueza cresce. São miseráveis no meio de tanto luxo». O pensamento de Marx deixa-me estarrecida se pensarmos que a frase do filósofo alemão, autor de um dos maiores monstros da Economia Política de todos os tempos [‘O Capital’], foi proferida a 18 de Julho de 1871 na entrevista que concedeu a T.Landor, correspondente do The New York World, e que integra a colecção do semanário Expresso dedicada às grandes entrevistas da História. E foi neste verdadeiro documento histórico que descobri algo que não sabia. Algo que me faz compreender (melhor) o homem que marcou o pensamento político através de um movimento que havia de ficar eternamente para a História. No dia do seu funeral, em Março de 1883, em pleno cemitério de Highgate [em Londres], Engels leu o seguinte discurso: «No dia 14 de Março, às três menos um quarto da tarde, deixou de pensar o maior pensador dos nossos tempos […]. Tal como Darwin descobriu a lei do desenvolvimento da natureza organiza, Marx descobriu a lei do desenvolvimento da História humana: o facto, tão simples, mas oculto sob a mesquinhez ideológica, de o homem necessitar, em primeiro lugar, de comida, de bebida, de um tecto sobre a cabeça e de roupa para cobrir o corpo, antes de poder fazer Política, Ciência, Arte ou Religião […]. A descoberta desta mais-valia lançou de imediato luz sobre estes problemas, enquanto todas as investigações anteriores, tanto dos economistas burgueses como dos críticos socialistas, tinham vagueado nas trevas». Arrepiante.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Apelo à (minha) classe: combater a má moeda!

Esta semana quero falar-vos de um património rico que Abrantes tem há 18 anos.
Falo da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, escola que me acolheu no longínquo ano de 1999, era eu uma imberbe jovem, com um sonho simples na bagagem: ser jornalista. O sonho cumpriu-se, pelo menos, até hoje.
Na semana passada, regressei à ESTA, a convite dos alunos do curso de Comunicação Social, no âmbito dos seus encontros de comunicação, atualmente designados “Redes de Comunicação”.
Foi ao lado de Alves Jana, figura respeitada nesta cidade e fora dela, meu antigo professor e que colabora com a Antena Livre há largos anos, que falámos da entrevista, enquanto género jornalístico.


Na plateia, alunos, professores e comunidade, com interesses diferentes sobre o tema.

Apesar das emoções, pese embora a realidade nua e crua que não pude deixar de partilhar com estes alunos, creio, com toda a convicção, que é possível agarrar os sonhos. Sei que é viável combater o estado negro de classe que existe e não pod…

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.