Avançar para o conteúdo principal

O fantástico império pré-Revolução. Pelo olhar de Gorskii.










Não é estranho para muitos dos que me conhecem. já que sabem que sou uma apaixonada pela Rússia de tantos e tantos séculos passados, pela sua história e, acima de tudo, pelos génios literários que daquele extremo da Europa emergiram. A isso junto a famigerada Política que teve ali um tempo também muito próprio Se há trabalho que sempre me fascinou foi o de Sergei Prokudin-Gorskii, o fotógrafo russo que captou a famosa imagem a cores de Tolstoi. Um trabalho que chamou a atenção de Nicolau II, o czar que financiou muito daquele que viria a ser o seu espólio de vida. Prokudin-Gorskii passou os dez anos seguintes a viajar pelo interminável império russo. Daqui resultou um magnífico trabalho de dez mil fotografias a cores, reveladas numa câmara escura de um vagão de comboio modificado. Em 1918, pouco depois do início da Revolução Russa, Prokudin-Gorskii mudou-se para Paris. Muitas fotografias foram queimadas pelas autoridades do país. Mas muitos dos que lutaram pelo seu legado doaram-nas à Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos em 1948. São maravilhosas e mostram uma Rússia pré-Revolução, com cores, ambientes e cheiros (sentidos à minha maneira) de um país em ebulição. De um país que me conquistou desde que me lembro de ser gente. Partilhamos aqui algumas. Se quiserem ver mais imagens é consultar a Biblioteca do Congresso dos EUA. AQUI.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…