Avançar para o conteúdo principal

Soares. O perigo da emoção.


A indignação de Mário Soares é compreensível do ponto de vista pessoal. O que o antigo Presidente da República se esquece é que nem ele nem nós conhecemos os fundamentos da decisão nem os indícios que levararm o juiz Carlos Alexandre a decretar a prisão preventiva a José Sócrates. São, por isso, perigosas as declarações de Soares nesta altura do campeonato. E colar o PS à sua opinião pessoal, a que tem direito, é colocar o frágil líder do PS cada vez mais enrolado. Sobretudo nas vésperas de um Congresso que será a primeira prova de fogo de António Costa. Ficam algumas frases:

  • «A campanha que estão a fazer contra José Sócrates é uma infâmia».
  • «Isto é uma malandrice daqueles tipos que atuam e que não fizeram nada».
  • «Ele é um homem digno, cheio de dignidade e não pode ser tratado de uma maneira assim, sem sequer ser julgado».
  •  «Um homem é apresentado como se fosse um malandro e nem sequer esteve em tribunal - isso é que falhou».
  • «Isto não tem nada que ver com os socialistas [...] tem que ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar. Todo o PS está contra». 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…