Avançar para o conteúdo principal

Feiras de Portugal. Um santuário para políticos.

É um clássico, daqueles que fazem com que a expressão «política à moda antiga» continue a fazer sentido. Falo das feiras que povoam este País, de norte a sul. Somos, provavelmente, um dos melhores países na organização/promoção de eventos locais e regionais, e nos últimos anos, apurámos o dom. E, quando chegam as eleições, estes certames tornam-se numa animação maior, com as visitas de políticos que lá fazem o sacrifício de distribuir beijos, sorrisos e abraços ao tal «Povo» que eles próprios classificam como tal. À semelhança de tantos outros eventos e governantes, hoje lá vai Pedro Passos Coelho, pavonear-se na tradicional Feira do Fumeiro e Presunto de Barroso, em Montalegre. O espectáculo está garantido, agradando a gregos e troianos. Também Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República e o secretário-geral do PS, António Costa, são promessas do cartaz do evento. As televisões agradecem. Os próprios também, porque saem de lá convictos de que chegaram a mais potencial eleitorado. Provavelmente chegam. Provavelmente não. Seja como for, mesmo no tempo em que a comunicação está a mudar, passando da rua para as redes sociais e as plataformas online, cada vez mais globais, por cá, uma coisa é certa, ninguém quer faltar aos palcos do país real, o mesmo país que durante mandatos de governação é esquecido pelos mesmos que o usam quando lhes convém. Tudo na mesma, portanto. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…