Avançar para o conteúdo principal

O rumo de Costa.

É bonito ver os encontros de António Costa com a direita e a esquerda. Peço desculpa, reformulo: com alguma direita e alguma esquerdaO líder do PS tenta manipular a opinião pública e o eleitorado com acções de propaganda (é a sua função) em véspera de legislativas. Bem sabemos que é tempo de estratégias de corredores, que impera agitar águas e «apalpar» terreno em todas as capelas. Contudo, ouvir Costa dizer que está interessado em trazer para o arco da governação o PCP quando a seguir Jerónimo relembra que «os socialistas praticam políticas de direita», é demasiadamente penoso. O PCP mantém a congruência, goste-se ou não de Jerónimo e das linhas partidárias com que sempre se posicionou. Já o actual líder do PS assume ficar refém de uma estratégia que, na minha opinião, apenas o fragiliza. Para não falar dos eternos conflitos históricos e ideológicos que nos últimos 40 anos sempre opôs socialistas e comunistas. Os encontros à direita que António Costa também teve esta semana ajudam igualmente a provar a tese de que o povo pode parecer burro mas, é bom lembrar, que não o é. A juntar a isto tudo, o drama presidencial adensa-se com Guterres a mover-se em pontos sucessivos de interrogação. Veremos se o PS ganhará ou perderá mais com tal táctica. O tempo o dirá. E o tempo começa a escassear. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…