Avançar para o conteúdo principal

Os 40 anos do PSD e as incongruências de Manuela.

Foto_José Carlos Carvalho | Expresso
No encerramento das comemorações dos 40 anos do PSD, que ainda decorre por esta altura, na Aula Magna, em Lisboa, a frase da noite foi a de Francisco Pinto Balsemão: «muitas vezes não concordo com Passos Coelho mas não ando a anunciá-lo publicamente». Destinatário, achamos nós por cá, Manuela Ferreira Leite. Na primeira fila, a antiga ministra das Finanças, denuncia uma cara de frete impossível de disfarçar. Quem a ouve semanalmente na TVI, e quem a conhece politicamente, não entende como é que a veia liberal (e social democrata, como tanto gosta de invocar) se revolta com o actual estado da governação. Na TVI bate em Passos, na primeira fila da Aula Magna (ao lado de Marques Mendes, Marcelo, Durão Barroso, Santana Lopes e Assunção Esteves) bate palmas a Pedro. A manipulação mediática por parte dos políticos-comentadores ou comentadores políticos (como preferirem) é uma coisa bem tramada. Mas Pedro devolveu-lhe, olhos nos olhos, as farpas semanais à boa moda de uma boa «dama-de-ferro», como um dia por cá lhe chamaram.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…