Avançar para o conteúdo principal

«Sem austeridade, Portugal não vai lá», dizem eles.


O aviso chegou na semana passada pela mão do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia e dizia simplesmente o seguinte: «sem austeridade, Portugal não vai lá». Foi isto que os economistas da Troika nos disseram no final da segunda missão de monitorização pós intervenção externa, que teve lugar na semana passada em Lisboa. Lembraram que o ajustamento do défice estrutural em 2015 e nos anos seguintes ficará provavelmente aquém das exigências do Pacto de Estabilidade e Crescimento, o que para as instituições credoras reflete um enfraquecimento do esforço de consolidação. As duas instituições desafiaram o governo português a utilizar as poupanças que resultam da descida do pagamento de juros para reduzir o défice e a dívida. Na verdade é esta a grande diferença entre pares candidatos nas próximas legislativas:uma escolha entre aqueles que defendem a austeridade sem alternativas e as dos que estão do lado oposto, com promessas vãs que também não chegam láUma coisa é certa, estamos a muitas décadas de recuperar a dignidade das nossas vidas enquanto povo. E,o pior de tudo, é que contamos com dirigentes fracos, impreparados e vendedores da melhor banha da cobra que alguma vez se vendeu em eleições neste país. Excetuando a coerência ideológica do PCP, mesmo que incoerente, nada mais nos resta. Veremos qual será o veredicto dos eleitores e que tipo de governança vão escolher. A salvação é uma miragem e a melhoria das nossas condições de vida também. É um futuro incerto aquele que nos espera. 

Crónica de 15 de junho de 2015 na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Apelo à (minha) classe: combater a má moeda!

Esta semana quero falar-vos de um património rico que Abrantes tem há 18 anos.
Falo da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, escola que me acolheu no longínquo ano de 1999, era eu uma imberbe jovem, com um sonho simples na bagagem: ser jornalista. O sonho cumpriu-se, pelo menos, até hoje.
Na semana passada, regressei à ESTA, a convite dos alunos do curso de Comunicação Social, no âmbito dos seus encontros de comunicação, atualmente designados “Redes de Comunicação”.
Foi ao lado de Alves Jana, figura respeitada nesta cidade e fora dela, meu antigo professor e que colabora com a Antena Livre há largos anos, que falámos da entrevista, enquanto género jornalístico.


Na plateia, alunos, professores e comunidade, com interesses diferentes sobre o tema.

Apesar das emoções, pese embora a realidade nua e crua que não pude deixar de partilhar com estes alunos, creio, com toda a convicção, que é possível agarrar os sonhos. Sei que é viável combater o estado negro de classe que existe e não pod…

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.