Avançar para o conteúdo principal

O penoso caminho de Costa.




Enquanto PS, PSD e CDS andam em guerra de palavras, com números para trás e para a frente, deviam antes parar para refletir e pensar no que andam, de facto, a fazer. Deviam inclusivamente aprender com o verdadeiro animal político que entrou na pré-campanha eleitoral e conseguiu ser mais eficaz na mensagem que todos os líderes políticos juntos. Falo, claro está, de José Sócrates que, mesmo privado de liberdade, na semana passada resolveu passar a mensagem sem perdas de informação, numa declaração ao Jornal de Notícias e à SIC. O antigo primeiro-ministro foi claro: diz ele que tema «legítima suspeita» de ter sido colocado e mantido em prisão preventiva para travar uma possível vitória do PS nas eleições legislativas. Ao mesmo tempo que ataca o sistema judicial, desde o Ministério Público ao juiz Carlos Alexandre, o animal feroz lança lenha para a fogueira envolvendo o PS no assunto. É bom lembrar que Sócrates foi o único líder socialista que deu ao PS uma maioria absoluta. E levou, como poucos, o barco a bom porto. Independentemente das consequências que isso trouxe. Seja como for, uma coisa é certa, entre cartazes, guerras de números, estatísticas e polémicas com os debates, não há nos candidatos a primeiro-ministro que se assuma, ninguém que faça diferente, que agregue esperanças e cujo discurso soe um pouco que seja a verdade. Para António Costa, esta nova aparição de José Sócrates só atrapalha, já que o assunto é demasiadamente delicado no Largo do Rato. Além disso será muito difícil controlar a intervenção de Sócrates na campanha. Já se percebeu que fala quando quer, perturbando os alvos de forma cirúrgica. O processo judicial, há muito que já o percebemos, será longo. Mas o processo político de António Costa será ainda mais penoso se não tiver um resultado incontestável nas legislativas de 4 de outubro. Se isto não bastasse, tem depois outra pedra no sapato para resolver, falo das presidenciais, com Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa a ajudarem à festa. A vida do PS e de António Costa não será fácil até ao final do ano. Resta saber se António José Seguro ainda terá alguma palavra a dizer no momento certo para infernizar ainda mais a vida a António Costa.


*Crónica de 24 de Agosto, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…