Avançar para o conteúdo principal

Acordos de regime. O imperativo que se exige!


Agora que já estamos oficialmente em campanha, e olhando para o que se passou na pré-campanha, percebemos o que espera o eleitorado interessado nas próximas duas semanas. Nunca acreditei em sondagens. Primeiro por razões políticas ligadas aos centros de sondagens que as executam, e depois porque nestas coisas de partidos e votos, a abstenção é sempre quem ganha no final, desfazendo contas e mais contas que entretanto se fizeram. Até ao momento, como já aqui o disse há umas semanas, há uma clara surpresa chamada Catarina Martins. A porta-voz do Bloco de Esquerda foi a única candidata que trouxe um espírito novo, uma lufada de ar fresco necessária, sobretudo, para compensar os discursos moídos e redundantes dos partidos de poder. O Bloco precisa tremendamente de mais votos e mais deputados na Assembleia. Depois dos altos e baixos, Catarina parece estar a trazer o partido à tona. Mesmo que não aconteça, ela é já uma verdadeira surpresa, pela positiva, nestas eleições. No lado oposto, António Costa tem deslizado à medida que os dias avançam e que os debates prosseguiram. O secretário-geral do PS tem mostrado algumas fragilidades dignas de principiantes. Costa tem experiência política, de bater de terreno, por isso, não se entende que se coloque a si mesmo em posições frágeis e quando há uma coligação de direita que assinou por baixo da Troika. E começa a cometer erros que lhe podem ser fatais. Primeiro com a recusa em dialogar sobre as pensões com a maioria PSD/CDS-PP, e depois ao radicalizar o discurso, garantindo que se a coligação vencer sem maioria, o PS chumbará o Orçamento do Estado para 2016. Basicamente, no que depender de António Costa, a situação do país poderá ficar muito complicada se o PS perder. E as contas do país também. Dois exemplos que podem ditar ou não o futuro de Costa. Porque há coisas que em política se podem pensar mas não dizer em certas circunstâncias. Se a tudo isto acrescentarmos que uniões com o PCP e Bloco estão longe dos intentos de António Costa, das duas uma: ou o PS suaviza o discurso ou esta campanha pode não lhe correr tão bem como se espera. Sem acordos de regime não há país que aguente. Sobretudo em matéria de Orçamento, Segurança Social e impostos. E isso pode dizer muito do homem que diz ser melhor que todos os seus adversários.

*Crónica de 21 de setembro na Antena Livre, 89.7 Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Apelo à (minha) classe: combater a má moeda!

Esta semana quero falar-vos de um património rico que Abrantes tem há 18 anos.
Falo da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, escola que me acolheu no longínquo ano de 1999, era eu uma imberbe jovem, com um sonho simples na bagagem: ser jornalista. O sonho cumpriu-se, pelo menos, até hoje.
Na semana passada, regressei à ESTA, a convite dos alunos do curso de Comunicação Social, no âmbito dos seus encontros de comunicação, atualmente designados “Redes de Comunicação”.
Foi ao lado de Alves Jana, figura respeitada nesta cidade e fora dela, meu antigo professor e que colabora com a Antena Livre há largos anos, que falámos da entrevista, enquanto género jornalístico.


Na plateia, alunos, professores e comunidade, com interesses diferentes sobre o tema.

Apesar das emoções, pese embora a realidade nua e crua que não pude deixar de partilhar com estes alunos, creio, com toda a convicção, que é possível agarrar os sonhos. Sei que é viável combater o estado negro de classe que existe e não pod…

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.