Avançar para o conteúdo principal

Coisas que jamais entenderei.




Uma das razões que me tem afastado das redes sociais é simplesmente não conseguir lidar com opiniões pouco democráticas, egoístas e, desculpem-me a expressão, ignorantes. Serve o post de desabafo devido a comentários que tenho lido por aqui. De portugueses. Portugueses que recusam a ideia de o país receber refugiados. Portugueses que acham que só porque temos problemas financeiros, estruturais e sociais, não querem «gente dessa» (uma das expressões que li). Mesmo que puxasse aqui pelo número de pessoas, refugiadas, migrantes, «gente» que foge da morte e das balas (coisa que esta gente não pode imaginar o que seja, calculo) que se inserem num número de quotas obrigatórias imposta pela União Europeia, o mais importante não será esse argumento. O que mais me dói e custa é ver portugueses que acham que as imagens que nos chegam são fabricadas, empoladas pela comunicação social (que muitas vezes exagera, é certo), e que servem apenas para colher o sensacionalismo. Aceito todas as opiniões divergentes da minha. Compreendo quem pensa diferente de mim. Aceito o debate sobre os problemas sociais que esta crise pode provocar nas sociedades ocidentais. Mas a vida humana, o direito a lutar pela vida e pela dignidade, na minha opinião, é maior que todos os problemas que se podem seguir. Os resistentes, ou aqueles que pensam que a Europa não pode aceitar tanta gente, que olhem para o centro da Europa e para o país que há 70 anos protagonizou o maior massacre dos últimos séculos. Hoje, por essas terras, por esses comboios e por esses muros que hoje se erguem há pessoas. Pessoas. A Declaração Universal dos Direitos do Homem explica o resto, desculpem-me a redundância. Simplesmente não consigo entender certas posições que roçam o neonazismo. A imagem é de Auschwitz. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…