Avançar para o conteúdo principal

Contra os muros que se erguem, gritar, gritar!


Foto: Reuters


A pé, de comboio, a pularem muros e cercas. São aos milhares e fazem recordar-nos o horror de há 70 anos, naquele quadro de terror que foi o Holocausto. É arrepiante pensar que a vaga migratória de 2015 tem lugar no mesmo chão e nas mesmas fronteiras onde, na II Guerra Mundial, outros tentaram fazer o mesmo: fugir às sepulturas que os esperavam. Falo, obviamente, do drama dos refugiados. Já aqui abordei a questão há uns meses. Mas, desde então até ao ponto em que chegamos, nada foi feito. A Europa, como se esperava, virou costas ao problema, colocando no topo das suas prioridades brincadeiras de meninos gregos. O mundo ficou em choque na semana passada quando a terrível imagem de uma criança nos entrou pela nossas casas e pelos nossos corações adentro. Talvez tenha sido, de facto necessário, que tal acontecesse para que a União Europeia abrisse os olhos e começasse a pensar efetivamente na sua matriz fundadora e que até ao momento estava apenas no papel. Finalmente, Bruxelas avança com um novo modelo de repartição de refugiados, que vai alivia os países bálticos e do bloco de Leste (com a exceção da Polónia), e eleva a percentagem dos países grandes e favoráveis às quotas obrigatórias, como a França e a Alemanha. Além da alteração nas percentagens, Bruxelas inclui a Hungria no grupo de países (até agora composto pela Grécia e pela Itália) a partir dos quais os refugiados vão começar a ser levados para os restantes Estados-membros. Por outro lado, o executivo comunitário vai permitir um regime de exceção quanto à receção de migrantes. Se um Estado-membro justificar a sua falta de capacidade para receber o quota que lhe compete, Bruxelas admite isentar esse país durante um ano, mas desde que pague uma quantia - ainda por determinar - diretamente ao orçamento comunitário. A verba funcionará como uma penalização pelo não envolvimento no modelo solidário. É já esta semana que Bruxelas vai divulgar a sua proposta para ajudar milhares e milhares de homens, mulheres e crianças que fogem da morte, de um túnel onde a luz se esgotou e que procuram no mundo supostamente desenvolvido uma mão de esperança. Esperamos uma resposta firme e eficaz ao desafio maior que a União Europeia tem pela frente. O mais triste é que foi preciso centenas de pessoas morrerem às nossas portas para a alta política europeia perceber que tinha de agir. É agora ou nunca e ontem já era tarde. Que Portugal saiba igualmente responder com o coração, porque só podemos esperar solidariedade de outros se formos capazes de ser parte da solução europeia para o problema que temos em mãos. Eu, por mim, acredito que somos capazes. O dinheiro é essencial, mas mais importante que o capital, é a vontade de preservar a dignidade humana. A nossa e a dos outros povos.

*Crónica de 7 de setembro na Antena Livre, 9.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Apelo à (minha) classe: combater a má moeda!

Esta semana quero falar-vos de um património rico que Abrantes tem há 18 anos.
Falo da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes, escola que me acolheu no longínquo ano de 1999, era eu uma imberbe jovem, com um sonho simples na bagagem: ser jornalista. O sonho cumpriu-se, pelo menos, até hoje.
Na semana passada, regressei à ESTA, a convite dos alunos do curso de Comunicação Social, no âmbito dos seus encontros de comunicação, atualmente designados “Redes de Comunicação”.
Foi ao lado de Alves Jana, figura respeitada nesta cidade e fora dela, meu antigo professor e que colabora com a Antena Livre há largos anos, que falámos da entrevista, enquanto género jornalístico.


Na plateia, alunos, professores e comunidade, com interesses diferentes sobre o tema.

Apesar das emoções, pese embora a realidade nua e crua que não pude deixar de partilhar com estes alunos, creio, com toda a convicção, que é possível agarrar os sonhos. Sei que é viável combater o estado negro de classe que existe e não pod…

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.