Avançar para o conteúdo principal

A nova Era tem um nome. Terrorismo de massas.




É inevitável não falar esta semana do ataque bárbaro que teve lugar na noite de sexta-feira 13 em Paris. O horror e a revolta são, obviamente, sentimentos comuns a todo e qualquer ser humano. Sobre isso não irei falar, até porque é uma sensação e emoção que nos une a todos. Contudo, quero falar da natureza de um ataque que é, ao mesmo tempo, uma ameaça a todos nós, em qualquer lugar, cidade ou circunstância. No Ocidente, onde a ameaça terrorista é cada vez mais um lugar-comum, há uma mudança em curso, cada vez mais iminente. O ato fanático da passada sexta-feira pode agora acontecer num ápice. Ações concertadas, ainda que com características artesanais, podem ser uma realidade fácil. Ao todo, na capital francesa, foram várias as zonas atacadas praticamente em simultâneo e da mesma forma. O autoproclamado Estado islâmico, onde a religião é usada em nome de objetivos tenebrosos existe, e ao contrário do que os líderes mundiais pensavam, está aí, vivo e mais ativo do que nunca. Não há segurança possível contra atos desta espécie, suportados apenas numa arma automática, capaz de dizimar dezenas de vidas e chocar o mundo assim de forma tão fácil. Este é um terrorismo mais duro, aquilo a que chamamos terrorismo de cidadão e de massas e que pensávamos estar bem enterrado. Se tínhamos dúvidas disso, com os ataques que têm ocorrido nos últimos dois anos, temos agora a prova de que estávamos redondamente enganados. Obviamente que falar de Estado Islâmico e terrorismo pressupõe falar da Síria e do problema dos refugiados, mas também da Arábia Saudita, do Iraque e da Turquia, apenas para dar os exemplos mais problemáticos, na chamada origem do problema. Contudo, confundir a questão dos migrantes que têm chegado em massa à Europa com fundamentalismos e terrorismo é tristemente errado. É colocar o problema na árvore e não apenas no ramo podre. Falamos de um terrorismo de inspiração religiosa que de religião nada tem e que ataca sociedades e não regimes, Estados ou partidos. É certo que muitos se infiltram nas massas e é este o ponto sobre o qual a Europa e os seus líderes nunca se debruçaram. É preciso atacar o coração do tal Estado islâmico. Militarmente? Se for preciso. Célula a célula? Sem a menor das dúvidas. E essencialmente no seio dos países financiadores destes loucos terroristas que crescem de dia para dia sem que o mundo, leia-se EUA, Rússia e Europa, façam o que quer que seja. Enquanto estes três blocos não se entenderem quanto ao problema sírio e ao Médio Oriente, continuará a haver banhos de sangue no Ocidente, como aquele que vitimou na sexta-feira mais de uma centena de civis em Paris. Até lá o ódio terrorista não cessará. E todos nós, sem exceção, estaremos à mercê dos seus infames desejos.


*Crónica de 16 de novembro na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…