Avançar para o conteúdo principal

Liberdade e crise. Uma união dolorosa.



A crise que atinge a comunicação social em Portugal não é de agora. À semelhança de muitos outros setores, os problemas agudizaram-se com a crise económica que o país vive, de forma mais dura, desde 2011. Contudo, no que toca à comunicação social, os problemas arrastam-se há uma década, de forma mais profunda. O setor, com jovens licenciados a saírem anualmente das Universidades, vai engrossando fileiras de desempregados, de homens e mulheres precários e sem capacidade de dar resposta ao ponto de saturação a que chegou. É um facto, há muito provado, que a oferta é muito maior que a procura. E é outro facto inquestionável que as vendas dos jornais caem a pique, ano após ano; as rádios vão sobrevivendo como podem e, exceção feita às televisões, com almofadas financeiras a empurra-las, só o online, com o florescimento de projetos novos, vai conseguindo romper espaço. Vem o tema a propósito com os dois últimos projetos a sofrerem as consequências da falta de leitores, de eventuais estratégias erradas e de gestões menos eficazes. Falo dos jornais Sol e I, cujo grupo económico que integravam, decidiu não continuar a suportar ambos os projetos. Razão? Acabou-se o dinheiro. Resultado? Despedimentos, cortes salariais, reduções brutais de condições laborais. A morte de jornais neste país é-me cara. Em 12 anos de profissão estive na morte de dois. A razão? É sempre a mesma. Insustentabilidade, queda nas vendas e falta de investimento publicitário. Na verdade, por mais que nos doa, quando não há dinheiro e se insiste em manter a porta aberta, todos sabemos, que estamos apenas a adiar o problema. E só quando o barco já está a afundar é que se tomam decisões. Dolorosas e tardias. Com a globalização, as novas tecnologias e a rapidez com que se acede à informação, o mundo tradicional dos jornais mudou. E em Portugal muitos perceberam esta realidade muito tarde. E só há um caminho: ou os jornais em papel encontram formas de financiamento sustentável com uma política feroz de publicidade estruturada, ou então só têm uma de duas opções: virarem-se para a internet, com custos de produção muito menores, ou encerrarem portas. Os problemas estão todos identificados. As soluções são possíveis. E o maior cego é aquele que não quer ver. Estamos à espera de quê? Que vão morrendo jornais e rádios num país que precisa de uma imprensa livre e saudável? Ontem, já era muito tarde.

*Crónica de 7 de dezembro de 2015, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…