Avançar para o conteúdo principal

Descobrir Camões na Gulbenkian até fevereiro





Até 15 de fevereiro de 2016 está patente na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, uma mostra que reúne uma coleção de livros de Camões, e que pertence à coleção de D. Manuel II, e que este reuniu durante o seu tempo de exílio em Inglaterra. A exposição, intitulada “D. Manuel II e os livros de Camões resulta de uma colaboração entre as Fundações da Casa de Bragança e Calouste Gulbenkian e é comissariada por José Augusto Bernardes, da Universidade de Coimbra e Raquel Henriques da Silva. Podem ser vistos, entre outros exemplares, as primeiras edições de "Os Lusíadas". Vale a pena uma visita. É, de facto, uma mostra única, como eu não tinha visto. E se forem num dia de sol, podem aproveitar os maravilhosos jardins da fundação, local de eleição há anos para quem gosta de ter paz dentro da urbe que se agita lá fora.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…