Avançar para o conteúdo principal

Feriados, pontes e afins.




É oficial. O Governo vai repor quatro feriados em 2016: dois religiosos (Corpo de Deus e 1 de novembro) e dois civis (o 5 de outubro e o 1.º de dezembro), retirados do calendário pelo Governo de Pedro Passos Coelho em 2013. Serve isto para dizer que me choca a forma como muitos meios de informação logo se apressaram a enquadrar o feito juntando ao assunto expressões como: «vai dar para pontes perfeitas». Sou uma nacionalista convicta, sempre defendi e continuo a zelar pela portugalidade, que só a nós, povo português, nos pertence. Celebrar datas – sejam elas civis ou religiosas – faz parte do ADN de um povo. O mais chocante nem é a reposição dos feriados (a relação produtividade versus feriados é-me completamente indiferente, já que não é isto que altera significativamente a riqueza de um país, mas sim o nível, ritmo e qualidade do nosso trabalho), mas o ponto que a eles se junta. As tais «pontes». E isto meus caros, isto corre nas nossas veias enquanto coletivo. Se somarmos a tudo isto prioridade nas decisões, acho que há matérias mais urgentes do que a dos feriados para nos preocuparmos. Não haverá questões sociais – seja na Saúde, na Educação, Justiça ou Segurança – que façam mais diferença na vida dos portugueses em 2016 do que a dos feriados? É em pontos como este – verdadeiramente eleitoralistas – que António Costa está refém de uma esquerda que acha que cabe ao Estado dar tudo – o que tem e não tem - aos cidadãos. O problema é que nenhum Estado de Direito pode dar tudo, como sabemos. E Portugal só poderia, um dia lá chegar, se fosse como uma empresa privada cujos dias lhe correm de feição: ou seja, sustentável. Os nossos velhos, dizem, vão ter, em média, dois euros a mais na sua pensão indigna. Por mim, retirem os feriados todos do calendário, se a seguir me disserem que os nossos pais e avós terão uma reforma justa, terão cuidados de saúde pública de excelência e que as nossas crianças têm acesso à infância e educação que a Constituição lhes confere por direito. É por estas e outras que este país não anda como devia: centramo-nos na árvore e não no ramo que é preciso cuidar.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…