Avançar para o conteúdo principal

JFK: sete dias que criaram um Presidente.




O seu último dia de vida, a 22 de novembro de 1963, em Dallas (Texas), continua a defini-lo. E a história de John F. Kennedy será sempre a sombra de um Presidente dos EUA que teve coragem suficiente para gerir a crise dos mísseis de Cuba (outubro de 1962) e para virar a página da América em matéria de direitos civis. O documentário que este fim-de-semana passou na RTP2, intitulado “JFK: sete dias que criaram um Presidente”, aborda a história de um dos políticos mais acarinhados da América e revela algumas explicações para a coragem que conhecemos dele. Não só os problemas de saúde que atingiram a sua adolescência (quase o levaram à morte aos 16 anos), como quando se alistou na I Grande Guerra (e se tornou um herói quando o seu barco-patrulha afundara no Pacífico com 11 tripulantes a bordo) e depois, como Presidente. A morte e a sua saúde frágil marcaram a sua vida, pessoal e pública. Foram sete dias decisivos na vida de JFK que este documentário nos mostrou. E prova também o quão longe estamos ainda de compreender uma figura tão carismática como aquela que venceu o experiente Nixon a 26 de setembro de 1960 num debate decisivo para as presidenciais daquele ano (e que venceria) que marcaria para sempre a história do jornalismo e política americanas e mundiais.  JKF continuará a ser JKF e penso que, ainda hoje, a América não recuperou do choque da sua perda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…