Avançar para o conteúdo principal

Populismo de elite encosta Marcelo. Finalmente um debate.


Finalmente, nesta maratona de debates presidenciais, vi hoje um debate mais próximo de ser realmente um confronto político. Político, mas não ideológico. Sampaio da Nóvoa, se dúvidas eu ainda tivesse, provou hoje que a extensão da sua dimensão de esquerda é uma corda demasiado longa, cinzenta e muito ambígua. O antigo reitor da Universidade de Lisboa assume, a meu ver, laivos perigosos que roçam uma espécie de populismo de elite. O importante é atirar e matar e depois, bem, depois, logo se vê. Por outro lado, finalmente há um candidato que obriga Marcelo a despir a camisola de comentador, a imagem simpática e a veste de independente que, de tal, tem muito pouco. No debate da SIC, Nóvoa conseguiu, impecavelmente, potenciar o renascimento de Marcelo, político, combativo, reativo. Ainda que numa bagunça zangada e desconcertada, nada ao jeito do ilustre orador e comunicador. E isso foi bom de ver. Contudo, o grande fantasma destas eleições chama-se Partido Socialista, que deixa órfãos e à deriva os principais opositores do já «aclamado» presidente antecipado pelas sondagens e pelos media. Um dia, António Costa sentirá na pele a errada decisão de não ter vinculado o seu partido a uma recomendação de voto [fosse a Nóvoa ou a Maria de Belém]. Mas o tempo ditará (ou não) tal opção.

P.S. – Marcelo partiu para esta corrida descansado, achando que seria um passeio. Se calhar era melhor começar a pensar na segunda volta...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…