Avançar para o conteúdo principal

TAP. O copo meio cheio e meio vazio.


Este sábado fica marcado pela recuperação de 50% da TAP por parte do Estado. Ao contrário das promessas de António Costa, que dizia que, «a bem ou a mal» o Governo ia recuperar a maioria do capital da companhia aérea portuguesa, mantém-se a gestão privada com metade do capital público. É, a nosso ver, este é o menor dos males. Quando não há dinheiro não há vícios. E os 30 milhões que o Estado terá de injetar na TAP na sequência deste desfecho já é um mau presságio. Quando temos problemas graves no Serviço Nacional de Sáude, na Justiça e na Educação, será assim tão importante recuperar a maioria de capitais públicos de uma companhia que, nas últimas décadas, deu prejuízo? Tenho muita pena, mas eu não quero o dinheiro dos meus impostos para ajudar a manter um buraco negro. Quero que os meus impostos financiem a saúde e educação públicas, quero que os meus impostos financiem o Estado social exigente e sustentável, que ajude os que não podem. É para isso que devem servir e não ajudar a manter empresas que não são sustentáveis. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…