Avançar para o conteúdo principal

50 anos de Scorpions. O Novembro quente de 2008.




Foi em 2008. O dia? 19 de Novembro. Um mês antes jamais eu imaginaria que seria possível ouvi-los, enquanto jantava, assim, como quem vai lá a casa dar um concerto na sala. O palco? Casino Estoril. A meu lado, o Ricardo, o companheiro de uma vida, que desde janeiro desse ano tenho a meu lado. Quando me chegam dois bilhetes para o Salão Preto e Prata à redação, recordo-me, como se fosse hoje, do sorriso que inundou o momento [e quando cheguei com os bilhetes à beira do Ricardo achei que ele ia achar uma loucura ver uns tipos que há muito estavam longe do brilho. Bem que me enganei, desde esse ano que passou a segui-los para onde quer que eles me levem…]. Passados oito anos, ainda hoje tenho na memória da conversa que tive no longo corredor do Casino Estoril com Klaus Meine e Matthias Jabbs, após a conferência de imprensa. Oliveira e Costa, hoje mais comentador televisivo do que líder da Eurosondagem, dizia-me minutos depois que, apesar de me conhecer há algum tempo, nunca tinha visto «um deslumbramento assim na cara e corpo de alguém». Talvez essa frase espelhe o momento. E talvez esse momento e essa frase jamais me saiam da memória. 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…