Avançar para o conteúdo principal

50 anos de Scorpions: não cabem todos num post nem em 50.


Em digressão mundial celebrando os 50 anos, o maior grupo musical alemão vendeu mais de 100 milhões de discos e ganhou prémios como os World Music Awards e os Echo Awards, provando que há rock em grande escala para além do eixo anglo-americano. Em países como França e Portugal a coletânea «Gold Ballads», de 1985, monopolizou o primeiro lugar do top de vendas meses a fio e transformou «Still Loving You», «Lady Starlight» e «When The Smoke Is Going Down» em ícones da banda.
No final da década de 80 uma visita a Moscovo inspirou o single «Wind Of Change», que se viria a tornar no hino da Perestroika, com vendas superiores a 14 milhões de cópias, e que levaria os Scorpions aos lugares cimeiros dos tops americanos e europeus em 1991, mantendo-se 20 anos depois entre os 50 mais vendidos da história da música.
Mas o sucesso das power ballads que tornaram os Scorpions uma banda familiar entre públicos de todas as idades não impede que mantenham o reconhecimento junto dos fãs que primeiro os abraçaram: os rockers. Canções como «Rock You Like A Hurricane», «Still Loving You», «Wind of Change», «Always Somewhere», «Big City Nights», «You and I» continuam firmes nas «playlists», das rádios rock e são pontos altos em qualquer concerto.
Na última década, destaque para o álbum «Unbreakable». «New Generation» foi o single que deu fama ao trabalho e recupera o hard-rock «scorpiano» adaptado aos tempos modernos. Em 2007 lançam o «Humanity: Hour I», um trabalho de precisão, com mensagens mundiais provocatórias, como há muito não faziam.
Em 2010, saiu o «Sting In The Tail», tendo o sucesso motivado uma edição especial com vários temas extra, entre os quais um dueto com Tarja, a ex-vocalista dos Nightwish. E em 2014 um «Return to Forever» que evoca os 50 anos da banda. We Built This House é o single de lançamento. Para quem for dia 28 ao Meo Arena é neste último álbum que se deve focar já que é nele que residirá a grande parte do alinhamento. Não faltarão os clássicos mas estes 50 anos são isso mesmo «Return to Forever». #ax@acaminhodo28#

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…