Avançar para o conteúdo principal

A vida lá dentro, onde as grades suspendem o futuro.


Vi ontem e hoje as duas reportagens da TVI em duas cadeias portuguesas. Goste-se ou não do género jornalístico da estação de Queluz, vi, em ambas as peças, homens, condenados, que pagam com a vida, corpo e alma, o mal que fizeram cá fora. Pessoas, de carne e osso, que são gente, que são homens e mulheres, a quem a sociedade tem e deve dar uma segunda oportunidade. Duas reportagens que mostram, nua e cruamente, a destruição de famílias inteiras. Solidão que vem e não regressa. Vidas suspensas num país também ele suspenso e que, ao contrário do que muitos querem fazer crer, ainda tem muito de que se envergonhar. Não, não havemos de conseguir sorrir enquanto a miséria, a pobreza e os mais fracos estiverem sozinhos à mercê de um sistema que faz o que pode e o que pode já é muito. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…