Avançar para o conteúdo principal

O desafio económico de Costa.





No congresso do PS que este fim de semana teve lugar em Lisboa António Costa cumpriu a missão ideológica em que acredita.


Prometeu luta aos neoliberais na Europa, defendeu a escola pública, garantiu mais rendimentos para as famílias portuguesas e cerrou os dentes à direita.


Na reunião magna da família socialista, a primeira depois de Costa ter chegado a São Bento, foi clara a intenção do líder do PS em sublinhar que a aliança com o PCP e o Bloco de Esquerda, é mais forte do que muitos pensam.



E não esqueceu as bandeiras dos partidos à sua esquerda avisando a Europa que punir Portugal pelo défice excessivo é fugir à velha máxima da solidariedade europeia.



No campo económico, nem um número. Do lado financeiro, nem uma bateria apontada.



É legítima a mudança de políticas. É legítimo que um novo Governo em funções vire a agulha em muitas áreas. Mas também sabemos que a política económica do atual Governo irá retrair investimento e travar o consumo interno. Só um cego que olhe para as estatísticas trimestrais não o vê.



A juntar a isto as exportações que recuam dia após dia, fruto das crises que atingiram muitos dos nossos mercados-alvo, como África e América Latina, tememos, e muito, pelo futuro da economia e do crescimento económico.



António Costa sabe disso como também sabe que imperam as reversões de muitas políticas que atiraram milhares de portugueses para o desemprego e para patamares de limiar de pobreza.



O grande desafio de António Costa, enquanto secretário-geral do PS e consequentemente como primeiro-ministro, é, sem dúvida, o económico.



Veremos em que ponto estará o país no próximo congresso socialista.



Até lá, há que conceder o justo benefício da dúvida.



*Crónica de 6 de junho de 2016 na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…