Avançar para o conteúdo principal

Um 10 de junho marcado pela exacerbação nacional.


As celebrações do 10 de junho, dia de Portugal, Camões e Comunidades Portuguesas tiveram, em 2016, uma carga simbólica excessiva e uma evocação histórica singular. O Presidente superstar Marcelo Rebelo de Sousa foi o seu impulsionador. Escolheu um palco invulgar nesta era democrática como há muito não se via. O Terreiro do Paço, em Lisboa, símbolo maior do antigo regime e, ao mesmo tempo, palco gigante da revolução dos Cravos, foi a escolha do Presidente para as cerimónias oficiais. No discurso, a exaltação do melhor povo do mundo, o português. E a completar o cenário, um excesso de desfiles militares das Forças Armadas, a fazer lembrar o amor à Pátria no pouco saudoso tempo colonial. Depois da exaltação nacional da manhã, Marcelo rumou a Paris com António Costa a segui-lo. É na capital francesa que o chefe de Estado completa o guião de uma celebração que se quer comum, próxima das pessoas, onde o protocolo é coisa menor e onde os portugueses, anónimos e heróis, são elevados a protagonistas do dia. Quer queiramos ou não, Marcelo fez deste 10 de junho um dia único, peculiar e diferente de todos os anteriores. Mostrou que é Marcelo, o mesmo que todos nós conhecemos como estrela junto do povo. Puxou pela autoestima nacional, lembrou que somos os melhores do mundo e não esqueceu de voltar a lembrar as elites políticas que é na convergência e estabilidade que se encerra o destino do país. Já nesta antena o disse que o estilo Marcelo irá mudar a forma como em Portugal se exercem cargos públicos. O professor está a mudar Belém, fazendo do Palácio um espaço do cidadão, abrindo as portas ao povo e mostrando como se faz. Porém, as dúvidas sobre as consequências deste estilo presidencial são ainda muitas. Um Presidente tem de ser isto, é certo, mas a banalização do cargo pode criar uma sensação de vulgaridade que não é desejável do ponto de vista institucional. Veremos até onde Marcelo superstar irá aguentar o ritmo e a pressão. Veremos até onde durará a frenética agenda presidencial que o coloca de manhã à noite nas antenas de todos os holofotes mediáticos. Seja como for, este é um modelo nunca antes tentado por um político em Portugal. Haverá pois de ser um case study ímpar. E que já fez História neste 2016 também ele único na História Política do país.

*Crónica de 13 de junho, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…