Avançar para o conteúdo principal

Com amor, dedicado a ti, Cristiano!


Há uma semana estive tentada a falar, nesta crónica, da conquista do campeonato europeu de futebol. Estive, digo bem. Mas não o fiz. E não o fiz porque sabia que ainda não estava tudo vivido. Há uma semana por esta hora os novos heróis deste país estavam a chegar a casa, num dia que fica para a história como único e épico. Portugal vence, pela primeira vez, na sua história, um campeonato europeu de futebol. Um país, acabado de ser resgatado, que precisa de auto-estima como nenhum outro, um povo que merecia, há muito, uma felicidade assim. Alguns dirão que se trata apenas de futebol. Que a felicidade, essa, é efémera. Que tudo passa e que daqui a meses a euforia já passou. Mentira. Pura mentira. Esta conquista representa um marco na história de Portugal. Simboliza sacrifício, esforço, dedicação e glória. Significa que nós, portugueses, essa nação sempre puxada para baixo, é melhor do que muitas vezes julga. Significa que temos valor e que desistir é palavra proibida num lugar onde todos nos dizem que somos incumpridores, que somos preguiçosos, que valemos menos que os outros. Neste percurso fantástico há toda uma equipa, coletiva, que representa a tal nação valente, mas há um comandante, como em todas as equipas, que se destaca, que nos mostra que vale a pena acreditar que somos bons e temos valor.  Essa figura chama-se Cristiano Ronaldo e permanecerá na galeria dos maiores símbolos do desporto, do país e do Mundo. É não é só um dos maiores portugueses de todos os tempos ao nível de Afonsos Henriques, Vascos da Gama ou até mesmo Eças de Queirós. Olhemos para ele como alguém que nos incentiva a acreditar em nós mesmos. E que nos diz, em alto e bom som: nunca, nunca mesmo desistam de vós próprios. Na semana de todos os sonhos, também assistimos ao regresso do pesadelo de todos os tempos. O terrorismo volta a atacar o coração da Europa. Os valores da religião e crença fanáticos voltam a matar em França. Mais uma vez a Europa sentiu na pele a violência do terrorismo que atira sem perguntar, que viola a nossa liberdade sem pedir, que nos empurra para uma vida frágil, que ameaça o que de mais simples temos como adquirido e a que chamamos de velhinhas democracias europeias. Ou o eixo de influência política mundial age rápido e eficazmente ou o terror fará parte das nossas vidas sistematicamente, tornando o nosso mundo cada vez mais num lugar estranho.


*Crónica de 18 de julho, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…