Avançar para o conteúdo principal

Jobs for the boys: o cancro da administração pública nacional.


É um clássico sempre que a cor política no poder muda, assistirmos todos às danças de cadeiras nas cúpulas da administração pública. Quem por cá anda atento percebe que com o Governo de António Costa não houve exceção que alterasse a regra. Do Ambiente às Finanças, do Emprego à Segurança Social, passando pela Saúde, Agricultura e Educação, quem acompanha a atualidade informativa do país sabe que os «jobs for the boys» aí estão, em força e com a celeridade de sempre. Acontece com António Costa, como aconteceu com Pedro Passos Coelho, José Sócrates, Durão Barroso, António Guterres e Cavaco Silva anteriormente. É um conceito instaurado nas capelinhas partidárias e que, por mais que os líderes digam que não, é certo e sabido que a tentação é maior do que a vontade. Em 2014 recordo-me de uma tese de doutoramento da Universidade de Aveiro que analisou 11 mil nomeações em 15 anos e concluiu que a maioria serviu para recompensar lealdades partidárias.Para este cancro que mina a evolução de um país contribui em muito a necessidade que existe nos partidos de poder tradicionais – como o são PS e PSD – de recompensar os militantes leais por serviços prestados anteriormente em nome da causa partidária.
Falamos, pois de uma realidade, difícil de ultrapassar e que nem mesmo com o país resgatado, os partidos perceberam que é preciso olhar para o coletivo e não para o ramo da árvore podre. Na verdade enquanto não ultrapassarmos este estado de coisas andaremos sempre para trás, premiando a mediocridade em prol da competência. E, nesta matéria, em que António Costa podia, de facto, dar um sinal à classe política e à sociedade civil, viu-se mais uma vez que ainda não saímos da geração de políticos que coloca os seus agentes à frente do povo. E também aqui, PCP e Bloco de Esquerda, sempre tão ávidos de críticas aos jobs for the boys, se uniram num silêncio pecador. Um dia perceberemos todos que a consequência maior da dança de cadeiras já habitual por cá nos conduziu a atrasos históricos e difíceis de recuperar.


*Crónica de 11 de julho de 2016, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…