Avançar para o conteúdo principal

Na culpa dos números a responsabilidade morre (sempre) solteira.


Sempre que o poder alterna entre PS e PSD é já um clássico assistirmos a troca de acusações mútuas entre os seus dirigentes. O legado anterior nunca é assumido por quem governa. A culpa dos números é sempre de quem antes pelo poleiro passou. Na guerra instalada cá dentro e em Bruxelas sobre eventuais sanções a Portugal por défice excessivo, é raro vermos uma figura responsável a assumir as suas responsabilidades. Se à esquerda a ordem é para combater a Comissão Europeia e a austeridade, à direita o discurso passa por defender as políticas implementadas durante os quatro anos passados. Se Passos Coelho foi um comandante exímio das ordens da Troika, António Costa quer mostrar ser o contrário e ficar para a História como o primeiro-ministro que reverteu quase tudo o que foi feito. Sabemos bem que o bom senso estará provavelmente no meio destas posições extremadas. Sabemos também que os erros nas políticas são transversais a PSD e a PS. Mas uma coisa é certa. A política de reversões encetada pelo atual Governo irá, sem margem para dúvidas, ter consequências não só no défice como nas contas públicas. E se nalguns casos, as reversões se aceitam, noutros, sabemos bem o custo que terão para o erário público. Se António Costa for coerente com o seu discurso europeísta sabe que tem de cumprir as regras e sabe também que o impacto das suas reversões eleitoralistas terão consequências. E graves. O seu alinhado ministro das Finanças já descolou no discurso e, ao contrário do Primeiro-Ministro, mostra-se já preocupado com a execução orçamental deste ano. Seja como for, há sinais que aí estão: as exportações desaceleraram, o investimento estrangeiro em Portugal continua a cair, o consumo interno tende reduzir e a confiança na nossa economia treme. A Europa e a Alemanha há meses que o perceberam e ao contrário do que muitos pensam, não são exageradas as declarações do ministro das Finanças da Alemanha sobre a necessidade de um novo resgate a Portugal. Veremos até quando António Costa e o próprio Presidente da República continuarão em festas e festins e em negação em relação ao futuro. Uma coisa é certa: se é necessário reverter algumas medidas que nos tornaram mais pobres, também é verdade que fazer tudo de uma só vez nos pode conduzir, de novo, ao abismo. E o povo, que tanto sofreu na pele os erros da Troika e do Governo de Passos Coelho, não merece, novamente passar pelo mesmo. E isso é que é assustador.


*Crónica de 4 de julho de 2016, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…