Avançar para o conteúdo principal

Portugal: um país a arder há décadas




O país vive nas últimas semanas momentos dramáticos, de inferno constante, com o fogo a comandar o destino das cinzas que hão-de ficar. Ano após ano, quando as temperaturas no verão sobem a valores elevados, Portugal arde, consumindo a mancha verde que sobra de outros anos, devastando espaços naturais, matando milhares de espécies da flora à fauna. Quando o lume cavalga além da floresta, a dimensão ganha outro sabor, mais amargo ainda, ceifando vidas, destruindo habitações erguidas pelo suor de uma vida, e atirando para a escuridão centenas de pessoas. Isso mesmo vimos todos na Madeira, a ilha sobrevivente, que tem superado intempéries atrás de intempéries e resistido recomeçando uma vez mais do zero. O cenário repete-se todos os anos, seguindo-se às tragédias o clássico debate na opinião pública pela busca de culpados, seja atirando ao Governo, à famigerada falta de meios, seja à incompetente gestão da floresta. A culpa, caros ouvintes, é de todos nós. Sem exceção. Porque todos nós somos ramos da mesma árvore. E percebemos a dimensão dos problemas do país, quando os políticos andam há décadas a empurrar o problema para frente sem nada fazer. Acontece na floresta como em tantas outras áreas. Nunca tivemos reformas estruturais corajosas. Sempre tivemos mais medo de enfrentar os corporativismos de muitos setores. E a floresta não é exceção. Os dados são negros. Metade da área ardida na União Europeia este ano está em território nacional. O atualGoverno – como todos os outros antes dele - anunciou a criação de um grupo de trabalho para desenvolver novas medidas de prevenção. O que é triste é que este anúncio de tão ridículo daria para rir se o problema não fosse sério. A Lei de Bases da Política Florestal, com 20 anos, prevê desde a sua feitura, este grupo de trabalho, e a pergunta que se faz é só uma: andamos duas décadas para criar um grupo de trabalho? Pelos vistos os nossos políticos são exímios a anunciar notícias que cheiram a mofo. Uma coisa é certa, neste país, o direito à propriedade é das vacas mais sagradas que por cá temos. A maioria dos espaços florestais é privada. Ou se revê, constitucionalmente, esta matéria de uma vez por toda, ou anúncios ocos de intervenção em terras abandonadas pelo Estado só têm um destino: milhares de processos em tribunal contra o Estado, onde quem vencerá, já sabemos, são os proprietários negligentes que por cá temos. Ou se avança seriamente nas reformas estruturais em todas as áreas ou andaremos para trás ano após ano. Em tantos outros países da Europa e do mundo, a floresta é um rico potencial económico, gerador de riqueza, de equilíbrio social e até de impulso nas exportações. Basta viver em Portugal para se perceber o crime que o poder político, em matéria responsabilidade, tem feito nas últimas décadas. E o povo, esse, continua a ser manso.

*Crónica de 15 de agosto de 2016, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…