Avançar para o conteúdo principal

Orlando Ribeiro: o homem que se emocionava com as paisagens.




Calcorreou o país rural de lés a lés, inseparável da sua máquina fotográfica e dos seus cadernos. Orlando Ribeiro observava tudo ao detalhe. Depois, escrevia, denunciava, descobria. É o «pai» da geografia moderna nacional, e, infelizmente, pouco se fala nele no país, na sociedade civil, na imprensa. Cedo me apaixonei por ele e pelo legado único que nos deixou, documentando a terra e a cultura portuguesas nas décadas de 40, 50 e 60 do século XX, e num país ainda hoje marcado pela diversidade de paisagens. As heranças científica, histórica e etnográfica permanecem vivas graças a si. Recomendo os famosos «Cadernos de Campo», uma obra magnífica do geógrafo, viajante, fotógrafo mas, acima de tudo, do Humanista. Hoje foi dia de reencontro com ele e sempre que puder, tudo farei para manter viva a memória de Orlando Ribeiro, o menino que se emocionava com as paisagens. O homem que carrega também parte do que sou. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…