Avançar para o conteúdo principal

ACREDITAR. É a minha palavra para 2017 e todos os outros anos.


Começamos mais um ano novo. Um tempo em que pedimos esperanças. Em que vencemos barreiras que julgamos impossíveis, simplesmente porque acreditamos. Nesta primeira crónica de 2017 é sobre isso que quero falar-vos. Da palavra ACREDITAR.  
Uma missão que começa em cada dia dos 365 que agora começaram. 
Sabemos que enfrentaremos dificuldades, entraves e outras barreiras que ainda não conhecemos. 
Mas essa é a lei da vida que se encerra e inicia com os ciclos que vão e chegam. 
O país, bem o sabemos, continuará a enfrentar desafios gigantes, e todos nós estamos nesse barco, porque somos peça-chave naquilo a que o atual Governo se propõe. 2017 conta com autárquicas lá para setembro ou outubro e será em cada município que se joga o futuro que cada um de nós ditar. Também aí, cada cruz assinalada, fará mudar ou não o nosso bairro, a nossa rua, as nossas vidas. 
Lá fora o mundo continuará com medo, medo do terror, medo da guerra, medo dos choques civilizacionais que ganham força em vários palcos regionais. O apelo do novo secretário-geral da ONU, António Guterres, no primeiro dia do ano, foi claro e firme quanto a isso: «façamos da paz a nossa prioridade». 
É por isso que devemos ACREDITAR. Na nossa vida pessoal mas também no país e no Mundo. Porque só assim vale a pena começar mais uma etapa da nossa existência. 
Desejo a todos os ouvintes, profissionais e colaboradores da Antena Livre um Feliz 2017.

*Crónica de 2 de janeiro de 2017, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…