Avançar para o conteúdo principal

Somos todos PIB. Somos todos NIF. Somos todos país!


Há anos que calcorreio o país. Entre aldeias, vilas e cidades, posso dizer, sem errar muito, que se há povo que conheço, é o meu. Sempre de caneta na mão, gravador na outra e máquina fotográfica ao peito. 

Há anos também que reclamo por um olhar urgente e preocupante pelo Interior, no combate à desertificação e à dura realidade do êxodo dos mais jovens. É por isso que aplaudo, cá de baixo, os apoios que se têm multiplicado aos conhecidos “territórios de baixa densidade”. Só no Centro foram já aprovados cinco programas PROVERE, que somam 10 milhões de euros até 2018. 

Projetos como as Aldeias Históricas e Aldeias do Xisto são alguns dos contemplados. E merecem muito, sobretudo pelas gentes que lhes pertencem. 

Espero que os tutelares do(s) poder(es) tenham a coragem, de uma vez por todas, de colocar o Interior «abandonado» no topo dos dossiers no Terreiro do Paço. Somos todos portugueses, somos todos PIB e somos todos NIF. 

Por isso, somos também todos iguais nas oportunidades de desenvolvimento. Tenho esperança! 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…