Avançar para o conteúdo principal

Festival do Contrabando: evocar memórias e manter a Portugalidade

Fotos: Ana Clara

Evocar gentes da fronteira, com as artes e a cultura. É esta a proposta de Alcoutim, na região raiana algarvia, que promove entre hoje e domingo a primeira edição do Festival do Contrabando em Alcoutim (Portugal) e Sanlúcar de Guadiana (Espanha).

«A paisagem fronteiriça que desafiava os destemidos na passagem de mercadorias, agora é palco de vários projetos culturais que transportam para o interior das populações e seus visitantes, os sonhos e ambições, trazendo até à vila raiana uma oferta cultural que desafia todas as condicionantes existentes», realça o município em comunicado.

Recorde-se que o nordeste algarvio é um território marcado geograficamente e historicamente, pelo rio Guadiana. Região serrana por natureza, apresenta um típico relevo ondulante, proporcionando paisagens de distinta beleza, cheias de luz, vida e cor.

Em tempos idos, foram inúmeras as atividades praticadas e desenvolvidas neste cenário de fronteira natural entre Portugal e Espanha.

Conheço Alcoutim nas suas profundezas. Por lá passei muitos dias de trabalho, reportagem rua acima, serra abaixo. O contrabando é, de facto, por estas paragens uma memória coletiva, que persiste viva nas gentes do sul e de todos aqueles que, noutros tempos, a viveram de forma arriscada mas também intensa.


Venham mais festivais do Contrabando que este país precisa, e muito, de manter vivas as memórias que contribuem para a portugalidade.

Saiba mais aqui:



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…