Avançar para o conteúdo principal

Pedrógão Grande: as vítimas e os sobreviventes precisam de paz



Passam hoje dois anos sobre a tragédia de Pedrógão Grande.

O dia 17 de junho será sempre uma data de triste memória. Naquele fatídico dia, o incêndio que começou em Pedrógão, alastrou-se a Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Penela, Pampilhosa da Serra e Sertã.

Pelo caminho havia de ceifar 66 vidas, deixando 200 pessoas feridas e prejuízos de centenas de milhões de euros. Ao todo, este dramático incêndio afetou mais de 500 habitações.

Desde então, o país tem assistido a tristes cenas relacionadas com a reconstrução das casas e com os apoios aos que perderam tudo.

Favorecimentos a quem afinal não tinha direito ao apoio, irregularidades e compadrios de autarcas, e um Estado que, passados dois anos, devia ter implementado no terreno uma verdadeira reforma florestal. O pior de tudo é que por estes dias os eucaliptos voltaram ao território, desordenadamente como é costume, e a antever o medo de que o Inferno se volte a repetir.

A tudo isto se resume a triste história do incêndio de 2017. Pelo meio, vidas perdidas, famílias destruídas e a paz que não chega.

Este é um país que não merece o Estado que tem. Um Estado que lhes faltou quando mais precisaram.

Um Estado que continua a falhar no mais básico e essencial da vida das pessoas.

Neste dia, em que recordamos os que perderam a vida, esta crónica é dedicada aos mortos, mas também aos sobreviventes, que merecem, mais do que tudo, estancar a ferida e ganhar a paz possível e que tanto merecem.

*Crónica de 17 de junho de 2019, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Por todos os Nuno's deste país, vergo-me, com vergonha e carregada de culpa

Há uma semana, quando a minha crónica na Antena Livre estava no ar, ainda não havia noção da tragédia dos incêndios desse fim de semana.
Depois, bem, depois, todos sabemos que números nos bateram à porta.
Não vou falar do que aconteceu, nem ajuizar as atitudes políticas. Tudo isso já foi falado, escrito, debatido, de uma forma tóxica até pela sociedade portuguesa.
Quero antes dar-vos o testemunho de alguém que assistiu, in loco, à recuperação, à reconstrução, ao caminho do futuro. Porque é disso que se trata imediatamente após tamanha tragédia. Vivi-o na pele em Agosto com a minha família e assisti de novo ao reerguer de gentes que merecem tudo.
Quero falar-vos de Nuno Pereira, fundador da Lusoberry, empresa que se dedica à produção de mirtilos e inovação dos seus derivados, em Oliveira do Hospital, região terrivelmente afetada pelos incêndios de há uma semana. O Nuno e a sua família viveram este drama por dentro, com amigos e família em perigo, assistiram à tragédia naquelas duras hora…

À descoberta de Castelo Novo: a aldeia que se aconchega no abraço da Gardunha

A frase do dia

«É melhor viver como ateu do que ir à igreja e odiar os outros». Papa Francisco, citado pela Lusa.