Avançar para o conteúdo principal

Media Capital: uma compra com muitas dúvidas



A Cofina anunciou este fim de semana que chegou a acordo para comprar a Media Capital, que detém entre outros meios de comunicação, a TVI. Valor de compra: 255 milhões de euros.
Se é certo que esta operação está agora sujeita a várias condições, como a autorização da Autoridade da Concorrência e Entidade Reguladora para a Comunicação Social, a verdade é que poucos são os que já duvidam de que o negócio irá avançar.
A acontecer, trata-se de uma das maiores operações na área dos média em Portugal, mas também com muitas perguntas e dúvidas que ficam no ar.
A primeira passa pelas linhas editoriais futuras do novo grupo.
A Cofina garante que pretende manter tudo igual mas no comunicado enviado à CMVM deixa antever já algumas intenções. Entre elas, destacamos a que nos parece mais preocupante e que traz consigo despedimentos à vista.
Todos os profissionais da Media Capital são para manter desde que...«estejam dispostos a colaborar neste novo projeto».
Para mim, é simples. A Cofina quer uma televisão em sinal aberto. Não detém nenhuma neste momento. Com a aquisição da TVI, o grupo do jornal Correio da Manhã passa a ter essa mais valia. No cabo, é muito evidente que não haverá espaço para duas televisões de notícias, ou seja, tudo leva a crer que a TVI24 desaparecerá, mantendo-se apenas no ar a CM TV, com a linha editorial que conhecemos.
Uma compra desta natureza, sabemos todos, não poderá agregar todos. E nem todos também gostarão da marca popular e sensacionalista do grupo Cofina. Pese embora a TVI também se paute por um jornalismo muito peculiar, e atravesse um dos piores momentos da sua história em termos de audiências, tenho muitas dúvidas de que se mantenham todos os postos de trabalho.
A confirmar-se o negócio será, sem dúvida, uma revolução no panorama dos média em Portugal. Mas com as dificuldades que já conhecemos no mercado. E não duvido de que as fileiras do desemprego na classe irão engrossar.
Resta saber para onde evoluirá o mercado, onde iremos todos parar com tanta procura para um nicho tão pequeno.
Este é um dos problemas há muito conhecido dos profissionais. Entretanto, os anos passam, e o panorama está à vista: muitos jornalistas, desempregados e sem alternativa, só têm uma de duas opções, ou mudam de profissão ou tentam a sorte em agências de comunicação e assessoria.
Pelo meio, a urgência de recuperar o jornalismo, tal qual ele foi criado, cai em saco roto. As exigências deste mundo novo ultrapassaram a profissão e enquanto ela não conseguir superar os espinhos, continuará em declínio, sem qualidade e a pagar salários miseráveis.
*Crónica desta segunda-feira, na Antena Livre, 89.7 Abrantes. OUVIR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Por todos os Nuno's deste país, vergo-me, com vergonha e carregada de culpa

Há uma semana, quando a minha crónica na Antena Livre estava no ar, ainda não havia noção da tragédia dos incêndios desse fim de semana.
Depois, bem, depois, todos sabemos que números nos bateram à porta.
Não vou falar do que aconteceu, nem ajuizar as atitudes políticas. Tudo isso já foi falado, escrito, debatido, de uma forma tóxica até pela sociedade portuguesa.
Quero antes dar-vos o testemunho de alguém que assistiu, in loco, à recuperação, à reconstrução, ao caminho do futuro. Porque é disso que se trata imediatamente após tamanha tragédia. Vivi-o na pele em Agosto com a minha família e assisti de novo ao reerguer de gentes que merecem tudo.
Quero falar-vos de Nuno Pereira, fundador da Lusoberry, empresa que se dedica à produção de mirtilos e inovação dos seus derivados, em Oliveira do Hospital, região terrivelmente afetada pelos incêndios de há uma semana. O Nuno e a sua família viveram este drama por dentro, com amigos e família em perigo, assistiram à tragédia naquelas duras hora…

À descoberta de Castelo Novo: a aldeia que se aconchega no abraço da Gardunha

A frase do dia

«É melhor viver como ateu do que ir à igreja e odiar os outros». Papa Francisco, citado pela Lusa.