Avançar para o conteúdo principal

Roberto Leal: marco maior da portugalidade


Há figuras incontornáveis. Roberto Leal é e será sempre uma delas. A sua música chegou onde todos os artistas sonham, mas que poucos conseguem realmente tocar: ao Povo! 

Goste-se ou não do seu legado musical, Roberto Leal representava o melhor que o Povo pode esperar: alegria, vida e uma forma única e genuína de se dar, de ser. Para mim ele era realmente transparente. Portugal, os portugueses, não se esquecem dele. Estou certa disso. 

Eu, cresci com ele, naqueles anos 90, em que o cantor passava grandes temporadas em Portugal, em espetáculos país fora em participações nas televisões privadas que emergiam num fervor muito peculiar daqueles tempos audiovisuais. 

Foi naquela minha adolescência longínqua que tenho dele as memórias mais vivas. Memórias que para muitos outros serão muito mais marcantes. 

O transmontano que rumou cedo para o outro lado do Atlântico nunca deixou de ser transmontano, português. É talvez esse um dos seus maiores legados: Roberto Leal foi verdadeiramente português. Igual a todos nós. Gente de carne e osso. Gente do povo. Marco maior da portugalidade.  #robertoleal
Nota: Roberto Leal faleceu este domingo, aos 67 anos, em São Paulo. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Por todos os Nuno's deste país, vergo-me, com vergonha e carregada de culpa

Há uma semana, quando a minha crónica na Antena Livre estava no ar, ainda não havia noção da tragédia dos incêndios desse fim de semana.
Depois, bem, depois, todos sabemos que números nos bateram à porta.
Não vou falar do que aconteceu, nem ajuizar as atitudes políticas. Tudo isso já foi falado, escrito, debatido, de uma forma tóxica até pela sociedade portuguesa.
Quero antes dar-vos o testemunho de alguém que assistiu, in loco, à recuperação, à reconstrução, ao caminho do futuro. Porque é disso que se trata imediatamente após tamanha tragédia. Vivi-o na pele em Agosto com a minha família e assisti de novo ao reerguer de gentes que merecem tudo.
Quero falar-vos de Nuno Pereira, fundador da Lusoberry, empresa que se dedica à produção de mirtilos e inovação dos seus derivados, em Oliveira do Hospital, região terrivelmente afetada pelos incêndios de há uma semana. O Nuno e a sua família viveram este drama por dentro, com amigos e família em perigo, assistiram à tragédia naquelas duras hora…

À descoberta de Castelo Novo: a aldeia que se aconchega no abraço da Gardunha

A frase do dia

«É melhor viver como ateu do que ir à igreja e odiar os outros». Papa Francisco, citado pela Lusa.