Avançar para o conteúdo principal

Uma queda e um acordo no dia em que também se celebrou Cunhal.




A 10 de novembro de 2015, se fosse vivo, Álvaro Cunhal faria 102 anos. Neste dia não pude escrever sobre isto, por falta de tempo. Curiosamente, a ironia da vida, da morte e da política, fez deste 10 de novembro um dia histórico para o país, para a política e para a democracia. O historiador e investigador do Instituto de História Contemporânea, João Madeira, disse-me um dia numa entrevista (em 2008, se a memória não me falha) que «Cunhal ainda perdura no partido em termos ideológicos». O líder histórico do PCP que marcou decisivamente o Comunismo português no século XX deixou marcas fortíssimas num partido que em 2015, genuína ou mascaradamente – não o sei – fez história também nas relações com a esquerda e em particular com o PS. E se há coisa que eu acho que fez tremer a voz de Jerónimo naquele dia foi precisamente essa data marcante para o partido. Será que o grande líder, onde quer que esteja, abençoaria o acordo? Nós por cá, achamos que sim. Mais do que um líder, Cunhal foi (e é) uma das figuras mais inteligentes que a Política Portuguesa tem inscrito na sua História.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…