Avançar para o conteúdo principal

Iraque. A experiência que conta.


José Rodrigues dos Santos regressou ao Iraque (norte, no caso) para uma reportagem sobre a guerra que, por estas semanas, voltou a ecoar. Goste-se ou não do jornalista da RTP a verdade é que são poucos os que têm a experiência de Rodrigues dos Santos em palcos de guerra, nomeadamente no Iraque, como é sabido. O que é triste é ver, pelas redes sociais, colegas a denegrirem o trabalho do também pivot da RTP. Uma prova de como esta classe é mesquinha, invejosa e até mesmo insensível. Algumas das opiniões que li chegam precisamente de pessoas que se acham umas estrelas da classe, que se colocam acima dos outros e que, por saberem serem medíocres, preferem criticar, de forma gratuita, o trabalho de colegas. Trabalho bem feito, de quem sabe o que diz e de quem conhece melhor que ninguém o terreno que pisa. E é por isso que não podia deixar passar esta em branco. Por razões de respeito e privacidade não revelo identidades, mas eles estão todos por aí, a derramar frustrações públicas. As saudades que tenho tuas, Carlos. Que raio de classe esta onde estou, que não respeita, que nunca conheceu o conceito humilde da Vida. É nestes momentos que tenho vergonha da minha classe.


P.S. – Declaração de Interesses: não conheço JRS e nunca sequer nos cruzamos. Sou inclusive crítica de algumas das suas obras. Para que fique claro que este post é insuspeito.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…