Avançar para o conteúdo principal

O Inferno de Monchique no país que arde há décadas.


Corria o verão quente de 2012. No início de agosto desse ano percorri, durante dias, a famigerada serra do Caldeirão que, nesse ano, viu arder mais de 26 mil hectares (cerca de 5 mil dos quais de área de produção florestal). A reportagem desse agosto infernal havia de custar a sair. Aldeias e gentes algarvias pintadas de negro, vidas inteiras de trabalho destruídas em segundos, rendimentos económicos familiares esfumados num ápice. A dor dos outros é, na maioria das vezes, o foco do trabalho de um jornalista, que tem de se manter de aço ante os sonhos destruídos dos outros, ali, desmoronados à nossa frente. Já tinha vivido tragédia semelhante em 2003 e 2005, por aqui, quando o fogo decidiu trazer Inferno igual aos concelhos de Mação, Sardoal e Abrantes. Mas por mais anos que passem continuo sem conseguir digerir os mesmos dramas que todos os anos, por esta altura, afligem o país. E tudo se repete, de forma igual, nas últimas décadas. A história é sempre a mesma, com os políticos a fazerem promessas de prevenção, que nunca são cumpridas. Em 2016, depois do agosto duro que se viveu no país e na Madeira, jamais pensaria que voltaria a reviver tragédia igual no Algarve. Quatro anos depois de ter assistido ao drama do Caldeirão, assisto, impotente, à destruição da serra de Monchique. Quis o destino ou a coincidência que estivesse em Portimão nas últimas duas semanas. Foi lá que vivi, dia e noite, mais uma destruição: de ecossistemas, de floresta, de produção agrícola que sustenta dezenas e dezenas de famílias no barrocal e nas zonas serranas. O Inferno das sirenes de bombeiros, a angústia estampada na cara dos que perderam parte importante da sua vida, o cheiro a queimado insuportável para o corpo e para a alma, tudo isso e o resto que os ouvintes possam imaginar, me voltou a consumir. Sinto-me, em parte, filha desta terra que há anos me abraça como se aqui pertencesse desde sempre. E é por isso que não perdoo a nenhum político deste país, que teve e continua a ter, responsabilidades sobre a tutela das florestas, pela negligência que têm cometido nesta matéria. Bem sei que não há crime nem punição para a consciência pesada. Mas os seus nomes e rostos são conhecidos, e sobre si recairá sempre a espada de terem apenas sido fantoches amedrontados por corporativismos e interesses menores. Que ponham a mão na consciência e que, de uma vez por todas, façam qualquer coisa de útil pelo país. Espero é que hoje não seja já tarde demais.

Crónica de 12 de setembro na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…