Avançar para o conteúdo principal

Boys e girls: um dia a casa vem abaixo.


Portugal continua a ser exímio nas cúpulas do poder. Seja com o PSD, CDS ou PS. Falo destes três partidos porque apenas eles ocuparam o arco da governação em São Bento. Em causa estão as licenciaturas falsas, uma na câmara de Lisboa e outra no ministério da Educação, e que o país ficou a conhecer na semana passada. Uma situação que ataca todas as cores políticas. À semelhança do que aconteceu no Governo de Pedro Passos Coelho, com Miguel Relvas, o Executivo de António Costa já não se livra de fama e proveito iguais. Quando um país elege cidadãos para o representar está também a eleger uma panóplia de boys e girls que fazem carreira nas estruturas partidárias das várias forças políticas. Homens e mulheres que acabam em gabinetes a ganhar acima da média nacional e com percursos dúbios pelo caminho. Portugal é isto. Um país de títulos, onde ser doutor ou engenheiro é que conta para o currículo. Não conta o mérito nem a experiência, importa apenas ser-se amigo de A, B ou C, subir nas instituições sem esforço nem glória, e usufruir das gamelas do Estado que, embora mais magras por estes tempos, mal ou bem, lá vão aparecendo. Todos os governos até hoje foram assim, com recheios de muitos favores que era preciso pagar. É por isso que já não surpreende os casos como os que foram públicos nos últimos dias. Mas isto simboliza igualmente aquilo que uma sociedade corporiza. Somos nós todos que contribuímos para este estado de coisas. Porque votamos em pessoas que não são de bem e que pensam apenas no seu umbigo. Que nos prometem mundos mil quando esses proveitos são muitas vezes para satisfazer clientelas. Gente que ajudou líderes a desbravar terreno nas duras campanhas eleitorais. Enquanto isso, a nossa taxa de desemprego continua a contabilizar milhares. Pessoas de carne e osso, sem um tostão, a passar dificuldades mas que, muitos deles, com imensos sacrifícios tiraram um curso, andaram a queimar neurónios para poderem ter uma bengala. O mérito em Portugal, sobretudo na esfera da Administração Pública, é coisa de tolos. Desde concursos públicos muitas vezes inglórios onde o selecionado já está escolhido, às nomeações políticas. Entre uma coisa e outra, vai uma panóplia de ascensões de que uma minoria beneficia. Pagos com o dinheiro público. Um dia a casa vem abaixo, e aí não há alicerce que resiste. E talvez seja mesmo preciso um terramoto para o país se reerguer, limpando a podridão e exigindo transparência.


Crónica de 31 de outubro, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…