Avançar para o conteúdo principal

Contra as "fake news", ripostamos com Jornalismo do bom

Quem me conhece sabe que levo à letra os elementares conceitos da minha profissão.

O Jornalismo é, de facto, um modo de vida. Que se escolhe, que se sente, que sabemos, desde o primeiro dia, ao que vamos.

É por isso que, no charco negro dos média nacionais, a reportagem “Assalto ao Castelo”, transmitida na semana passada na SIC, em três episódios, é não só uma lufada de ar fresco, como representa um registo histórico de serviço público.

O seu autor, o jornalista Pedro Coelho, há muito que habituou os seus telespectadores, a estórias com sentido. A retratos de investigação limpa, suportada em documentos, recheada de mais elementos novos que até ao momento a opinião pública desconhecia.

A reportagem que gira em torno do colapso do BES e do Grupo Espírito Santo, mostra aos portugueses aquilo que todos já suspeitávamos: que o Banco de Portugal, entidade na qual todos devíamos confiar em matéria bancária e financeira, falhou.

E mais grave do que isso: mentiu. Mentiu na Assembleia da República na figura do seu líder: o governador Carlos Costa.

O que a reportagem do Pedro Coelho nos revela é tão somente que o Banco de Portugal sabia, 17 meses antes do colapso do império de Ricardo Salgado, a grave situação de falência em que se encontrava a instituição.

Tudo isto serve para dizer o seguinte: não há informação séria, credível e rigorosa sem jornalismo escorreito. É por tudo isto que, num tempo em que dominam as falsas notícias a povoar as redes sociais, em que tudo e todos partilham o que vem à rede, tantas vezes através de sites e blogues que não exercem jornalismo, faz todo o sentido elogiar o trabalho sério que no panorama nacional ainda se faz.

A reportagem do Pedro Coelho e da SIC sobre o colapso do império BES revela muito da espinha das elites que governam o país. A banca, as suas ligações perigosas com o poder político e a subserviência do poder executivo à alta finança, são apenas braços de um sistema incapaz de se regenerar.

*Crónica de 6 de março de 2017, na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…