Avançar para o conteúdo principal

Legislativas 2015. Vitória(s) de Pirro e a responsabilidade desejada.




A maioria relativa que PSD e CDS obtiveram esta noite revela bem a escolha dos portugueses. Ela obriga a Oposição a desempenhar um papel fundamental na vida política do país e nas nossas vidas. É claro o voto de protesto dos portugueses contra a coligação, contra a dureza das medidas impostas e contra muita injustiça social criada. No Parlamento há agora muito a negociar, o centro-direita terá de ter uma outra atitude perante a forma como apresentará propostas. O Orçamento do Estado para 2016 será o primeiro e maior teste de chamas. Maiorias absolutas podem trazer estabilidade política mas a estabilidade não é tudo. E este cenário faria mais sentido se tivéssemos uma Oposição responsável, e em que as nossas vidas pudessem ter uma defesa mais viável. Assim o desejo, ainda que não acredite nesse cenário. Vitórias esta noite? Só de Pirro. Exceção feita ao BE. Seja como for, o maior número de votos tombou para a frente de direita. Veremos como evolui esta semana na correria a Belém e na forma como Cavaco vai gerir o dossier.


P.S. – Maiorias relativas impõem cautela. A palavra «humilde» foi a mais ouvida esta noite por quem sabe que perdeu terreno para decidir unilateralmente. Repito. Isso não é necessariamente mau. Aos que acham que daqui a dois anos (ou menos) iremos de novo às urnas, espero que tal não aconteça. Isso significaria que, da esquerda à direita, a palavra «cedência» venceria os fantasmas da irresponsabilidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…