Avançar para o conteúdo principal

Sim, ainda há democracia. E Lei Fundamental.




O país já todo ele falou sobre a comunicação do Presidente da República na semana passada. A novela pós-legislativas finalmente teve um desfecho, pouco surpreendente para alguns, para outros nem tanto. Cavaco Silva indigitou Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro. A frente de esquerda que se forma, garantiu o chefe de Estado, não deu garantias de estabilidade. O que se segue, já todos sabemos, meses a fio de desgoverno, instabilidade e um caminho de crescimento adiado. Contudo, e apesar da escolha constitucional e legítima do Presidente, no mesmo discurso, crispado e quase num tom amuado, indigno de um Presidente, foram ditas coisas graves, pouco dignas de um Chefe de Estado. É, pois, da maior urgência que o Cavaco esclareça os portugueses sobre o que pretendeu dizer, ao afirmar que há partidos democráticos que não podem participar em soluções de governo. Porque independentemente de a esquerda não reunir as condições desejáveis para este Presidente em concreto, é inaceitável a exclusão de qualquer força política, eleita para o Parlamento, para uma solução de governo. Em Portugal, com um Presidente chamado Cavaco Silva, a democracia ficou em segundo plano, em nome das regras de adesão ao euro e dos compromissos internacionais. Apesar de serem importantes, não valem tudo, e, que todos saibamos, ainda há democracia em Portugal. Além disso, Cavaco sabe que foi contraditório no seu discurso: pediu uma solução estável e duradoura. Solução essa que se manifestou à esquerda. Seja como for não seria uma perda de tempo a indigitação de um Governo de direita ou de esquerda. É o sistema que temos. E se o país acha que em tempos urgentes esse mesmo sistema não serve, então que se siga para revisões constitucionais. O ambiente político-partidário criado não favorece a tranquilidade para vencer os desafios que temos pela frente e os tempos são sombrios. Como sempre, quem pagará a fatura são os mesmos do costume. Haja paciência, que é também aquilo que todos precisamos.



*Crónica de 26 de Outubro na Antena Livre, 89.7, Abrantes. OUVIR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…