Avançar para o conteúdo principal

«ScorpiANA» até ao fim.




  
Em novembro de 2014 já eu pensava dizer-lhes «adeus». Pensava, digo bem. Porque estava, como todos me avisavam à minha volta, enganada. Quem me conhece, sabe bem a profunda relação que me une a uma banda que conseguiu cumprir um feito: editar um álbum de celebração de 50 anos de carreira. Meio século é tempo que poucos podem dizer que chegaram lá. E eles chegaram, ganhando o estatuto de «super banda». Goste-se ou odeie-se. São esses os factos. Comecei a ouvi-los tinha 13 anos. Influências de quem, na Província onde tudo chegava com anos de atraso, bebia tudo o que podia. Dos mais velhos, pois claro, que era neles que estava o conhecimento. Começava aí aquela que seria, talvez, a paixão mais avassaladora da minha vida, ao nível de uma dimensão que não é real e que está acima da minha vida, lá longe. 
Nesse tempo jamais saberia que um dia – vários dias e anos – teria a feliz oportunidade de os ver em palco. Cheguei ao feito n.º 11 nos últimos dez anos anos. Estive, por cá, e com eles em quase todos os momentos em que pisaram solo nacional. Desde o Crato, ao Ermal, passando pelo sui generis jantar/concerto, no Casino Estoril, pelo momento brilhante acústico no Convento do Beato e tantas idas ao Pavilhão Atlântico. Olhando para o passado, todos estes momentos estão vivos e recentes em mim. E alimentam-me diariamente, como um balão de oxigénio imprescindível. Num momento muito peculiar, ali para os lados do Beato, tive a oportunidade única de poder conversar com Klaus Meine e Matthias Jabbs. Anos mais tarde, e depois de vários emails de protesto da minha parte por Portugal ficar de fora da rota de tourné, tive a sorte de ser colocado no mapa. Valeu a pena. É que não tenham a menor dúvida. Faço parte de uma geração que não os tem como referência e sinto-me quase como uma pena bem leve por ser órfã de geração nessa matéria. Tudo isto para dizer que, há dois meses a esta parte, moram lá por casa, uns bilhetes com a data de 28 de junho de 2016. Um dia que será, seguramente, decisivo em toda a influência que eles têm na minha vida. Simboliza o último FIM [sim, corro de novo o risco de me enganar]. Por essa razão, aqui os evoco – mais uma milésima e cansativa vez. Porque quero. Porque me apetece. E porque eles balizam a minha vida desde o primeiro dia em que, numa cidade chamada Abrantes, me chegava à mão o primeiro disco em vinil.  E potenciaram amizades que duram até hoje. E, melhor ainda, fizeram com que ainda hoje arraste atrás de mim, para essas arenas país fora, um círculo muito restrito que faz parte da minha vida pessoal. É também a vocês -  em especial a ti, Ricardo - que dedico este texto. A vossa paciência tem sido fora de série. E eu sei que não é nada fácil. :-)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…