Avançar para o conteúdo principal

Direitos de Antena. Reciclagem, precisa-se!


Os chamados Direitos de Antena, previstos no artigo 40.º da Constituição da República Portuguesa (CRP), estão cada vez melhores. Em rádio ou na televisão, as várias forças políticas repetem, a cada ato eleitoral, os mesmos erros, as mesmas cantigas e numa espécie de regresso aos anos 80. Eu, que até gosto dessa década, não posso ficar contente com a lastimável forma e tratamento da mensagem política. Os nossos políticos sabem que estamos em 2015? Quem comunica as marcas partidárias não percebe que os modelos se esgotaram? Pior que isso, estas pessoas são pagas para assessorar a malta. É assustador assistir a qualquer tempo de antena em telvisão. Pior do que na rádio. É também por isto que as pessoas não acreditam numa única palavra que vem dali. Os partidos precisam de reforma mas quem tem a responsabilidade de dirigir as políticas comunicacionais e de marketing das máquinas deviam ser reciclados e reformados também. Haja muita coragem para ouvir e assitir a propaganda a preto e branco. 

Nota: O Governo, para esta campanha, alocou a nove meios de comunicação social, entre rádios e televisões, cerca de 2,31 milhões de euros de compensação pela emissão televisiva e radiofónica de tempos de antena para as legislativas. Um mimo. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Autárquicas 2017: o papel dos independentes

Um primeiro-ministro à altura da tragédia

«O país partilha um sentimento de luto nacional e um grande sentido de unidade. A quem perdeu familiares e amigos, a nossa solidariedade», escreveu António Costa, na sua conta no Twitter
Há momentos dolorosos de um primeiro-ministro. Este, sei-o bem, é um deles. 
A imagem, essa, diz tudo.

Sinto-me miserável

Não devia hoje falar sobre a tragédia que aconteceu em Portugal este fim de semana. Mas sinto que preciso abordar o tema.
Em primeiro lugar porque há todo um país a chorar os seus mortos. O que aconteceu em Pedrógão Grande parece saído de um filme de terror.
As imagens, os sons do silêncio e o desespero de quem perdeu os seus fazem-nos sentir, à distância, miseráveis. Eu, confesso, sinto-me miserável. Como testemunha. Como impotente. 
É certo que muita coisa podia ter sido feita para aliviar o drama.
Contudo, o conjunto de fatores climáticos únicos e extremos que se encontraram ao final do dia de sábado, mudaram o percurso da história.
Em Abrantes viveu-se o mesmo fenómeno. Eu própria, durante duas horas, assisti a tudo.
Um céu negro que se formou lentamente, relâmpagos de terror e a formação de ventos muito fortes conduziram a momentos dramáticos e de reviravolta no incêndio de São Miguel do Rio Torto.
Isto mesmo comprovaram as autoridades. Das poucas certezas dadas, há uma que é inequí…